AI: um novo profissional do Scrum.

Discutir metodologia de projetos não é só para Gerentes de Projetos. O Profissional de Arquitetura da Informação vem ganhando cada vez mais espaço dentro das empresas, portais e agências. No entanto, ainda há necessidade de alfabetizar a equipe de trabalho sobre o papel do Arquiteto da Informação dentro do processo.

É certo que, metodologias devem ser aplicadas de acordo com as necessidades de cada empresa X projeto, porém percebi, nos discursos do EBAI 2009, uma tendência à implementação de metodologias ágeis dentro de uma rotina de Arquitetura da Informação em quase todos os trabalhos que falavam sobre metodologias.

Vou usar a como referência a palestra da Globo.com, feita por Leandro Gejfinbein - atual Gerente de Arquitetura da Informação do portal. A meu ver, ele definiu muito bem os caminhos e responsabilidades de um AI. Tudo muito próximo do que já vem sendo adotado pelo Scrum, onde a principal semelhança trata-se da eliminação dos entregáveis (documentos protótipados) e apresentação dos primeiros layouts em tela como produto de User Experience. Acompanhe comigo:

Metodologia.
1o - Compartilhamento de responsabilidades.
2o - Comunicação e não documento.
3o - Orientado a entrega, não ao protótipo.

Papel de AI.
- Pensar o projeto como um todo, porém, fazer a entrega por etapas.

- Ideal para lidar com o sistema de informação - pensa de forma ampla, na experiência do usuário e não na gestão de projetos, apesar de ser importante ter uma boa noção para priorizar responsabilidades.

- Fazer uma matriz de funcionalidades de todo o portal e, se preciso for, montar o protótipo apenas para ser usado como suporte interno e documentação, sendo que este pode ter a menor fidelidade possível para agilizar as entregas.

- Dividir com o designer a responsabilidade sobre a experiência do usuário e sobre a navegação.

- Aumentar a responsabilidade do profissional de inteligência de dados e analista de sistemas dentro do projeto desde o início.

- Dominar todo contexto de informações daquele produto, zelando pela experiência, usabilidade e melhor buscabilidade, proporcionando um sistema de integração inteligente.

Quando Leandro levantou esses pontos (lembrando que essa foi a minha interpretação do que ele disse), o pessoal que trabalha com tecnologia ou empresa de software não concordou muito com a ideia. Afinal, é compreensível. Porém, os Arquitetos de Informação que trabalham com atualização de portais de conteúdo e agências de propaganda, se identificaram bastante com isso, já que muitos deles já haviam adotado essa postura junto à sua equipe e clientes.

Isso pode ser exemplificado também com a palestra de Felipe Memória - Diretor de DesignerDesign da agência HUGE. Ele comentou sobre essa mesma postura em sua experiência no exterior. Na HUGE, onde eles eliminaram do processo a “exigência do wireframe” como material de apresentação para os clientes. E, em uma conversa complementar no final da palestra, ele me explicou que, antes de começar o projeto, a prioridade passou a ser a apresentação de uma amostra real do design do projeto e não a produção da matriz de funcionalidades e do wireframe, que deveriam ser usados caso a caso. Nesse processo, o protótipo continuou a ser usado especialmente para testes ou suporte à equipe, porém, somente nos casos essenciais ou conforme pedido do cliente que era apresentado o protótipo em alta fidelidade.

Mais uma vez, isso prova a capacidade que um profissional de Arquitetura da Informação deve ter para pensar na experiência do usuário de forma ampla e sua responsabilidade com a consistência do sistema de informações. Como Andrew Hinton -
Diretor de Práticas Profissionais do IA Institute e Gil Barros apontaram: o bom senso muitas vezes supera qualquer metodologia. Com ele, acrescido de experiência profissional, é possível fazer um site bem sucedido, usando testes de usabilidade somente posterior a implementação de um projeto.






P.S.: desculpe, Gil, não encontrei seu site para "linkar".

Comentários

Marco Moreira disse…
Legal Me!
Eu não fui no EBAI mas estou navegando no Blog dos amigos pra tentar ficar por dentro do que rolou lá. Você escreve muito bem e espero que continue atualizando o seu Blog. Tá no meu RSS! =)
Anônimo disse…
Diretor de DESIGN e não DESIGNER
Rodrigo Teixeira disse…
Olá Melina, tudo bem com você?

Estive também no EBAI conferindo as palestras e pude notar que o Scrum tem ganhado bastante espaço no que se diz a respeito à concepção de produtos e projetos web.

Como tudo o que foi discutido lá é passível de interpretação, na minha opinião a relação AI e Scrum deve ser aplicada quando já existe uma cultura dentro da empresa ou agência. Na interessante palestra sobre pesquisa em tecnologia móvel da Nokia, ficou claro que o Scrum funciona, pois todos do instituto de pesquisa são certificados em Scrum. Nesse contexto, as meninas que ficam com a parte de AI tornaram-se as gerentes do projeto, controlando todo o ambiente de um projeto.

Um outro ponto a se avaliar é a questão da Globo.com. A eliminação do entregáveis também pode ser interpretada ao fato que a própria Globo é o principal cliente e que a grande maioria dos produtos desenvolvidos seguem uma mesma filosofia. Isso facilita bastante do gerenciamento do projeto e do tempo.

Contudo, concordo plenamente com você nesta qeustão da aproximação da filosofia AI ao Gerenciamento de Projetos. Isso mostra que a área amadurece cada ano que passa e que os AI's tornam-se mais importantes na concepção de um produto.

Parábens pelo post! Ainda não conhecia seu blog e já está em meu RSS!

Beijos!
Marcelo disse…
Opa Rodrigo,

Vou complementar um pouquinho : Na verdade as meninas viram POs :) controlando o backlog, mas não o projeto. Um ponto importante do scrum é que não há gerentes de projeto, o time é o gerente :) Esse é um dos pontos + positivos. O que fazemos em um time grande como o nosso é que mesmo com 80 membros nos times, e + de 15 projetos rodando temos 4 gerentes. Ou seja, não temos o formato normal de 1 gerente por projeto, por maior que seja. O gerente realmente só cuida do que é burocrático (papelada) e apagar fogo político.

Mas, como vc falou, não é só usar AI e scrum, ou como fazemos aqui UX e scrum. é A empresa adotar o scrum de forma completa. Com essa postura, o UX pode sim usar o Scrum de uma forma que s'o melhora o trabalho e o resultado final. Pequenas modificações como elas citaram são importantes: a. não trabalhar na mesma história, ter um sprint 0 para concept o mais profundo possível etc.

No caso da globo, concordo com vc: cliente interno facilita a falta de documentação, mas A gi perguntou e ele respondeu, continuam documentando tudo, só não existe mais a necessidade formal da entrega. Aqui temos documentação que varia de acordo com o tipo de cliente. As vezes o é uma prova de conceito que caso aprovada, vai para outra empresa transformar em produ projeto to, ai precisamos ter tudo documentado nos mínimos detalhes.

Pq eu escolhi as meninas do perfil de AI para a posição de PO (donas do produto) justamente pelo fato das principais características da área serem organização / detalhismo etc. Mas não temos regras, o PO pode ser um Designer gráfico, ou mesmo um Production / Motion designer. Tudo depende do projeto. O importante é que o PO conheça a fundo o objetivo e saiba maximar o ROI do projeto, priorizando as histórias que acabam gerando + satisfação do cliente.

E como foi falado no EBAI : AI sempre foi tratada e é tratada como "cargo" mas sabemos que é uma skill. Esse "AI" que assume + do que somente os wireframes e etc, é na verdade um PO ou Product Manager responsável pela estratégia do produto, mas qualquer pessoa do time de criação ou mesmo tecnologia pode assumir essa posição, cada uma trazendo skills igualmente importantes para o produto. O que une todos eles é : Paixão pelo assunto abordado pelo produto x real conhecimento do ambiente no qual ele está sendo criado.

abs

Marcelo Eduardo
INdT
Hélio Teixeira disse…
Oi Melina

Parabéns pelo Blog. Muito bem editado e escrito.

Gostei tanto do que vi (e li) aqui que acabo de incluir o “AI aqui” na seção ‘Indicamos’ do Chapa.

Grande abraço e mais uma vez parabéns!

Hélio Teixeira
Editor do Blog Chapa Branca

Postagens mais visitadas deste blog

Curso rápido ou Pós-graduação em Arquitetura da Informação?

Quer saber porque fazer os workshops do UXConf BR? A gente ajudou você.

Interaction Design: interação fora das telas | 1a parte