Por que você precisa de UX?


Quem trabalha com Design Centrado no Usuário talvez, neste momento, esteja pensando “Ainda estão falando disso?”. Mas o assunto ainda não é tão claro para a grande maioria.


Recebo, constantemente, em minha caixa de mensagens pessoas pedindo referência sobre cursos e até mesmo a pedindo a minha opinião sobre algum curso específico do tema. Comecei a perceber que mesmo já tendo publicado algumas vezes sobre o motivo de se pensar a experiência da concepção de produtos, serviços e sistemas baseado em pessoas, este assunto ainda é bem relevante para muita gente.


Com tantas metodologias como o Design Thinking e Service Design ganhando espaço e atenção das empresas e dos profissionais, cheguei à conclusão de que Usabilidade e Experiência do Usuário já são os “tiozões” quando se fala em UX.


Quer saber qual a minha versão sobre essa história?


Há 20 anos, o IHC (interação humano-computador ou homem-computador) já trabalhava fortemente para estabelecer parâmetros e definições que auxiliaram o mundo das tecnologias a pensar sistemas voltados às pessoas.


Mas acontece que nem só de sistemas vivem os homens. (Ainda bem!) Veio então, a Internet dizendo que a interação poderia ser em tempo real e que a plataforma de conversa não precisava ser somente um desktop, poderia ser um telefone, um objeto, um ambiente ou até mesmo uma roupa. Basta ser interativo e ter relevância na vida real.


De lá pra cá, disciplinas como Usabilidade, Arquitetura da Informação passaram a representar melhor o cenário humano-computador, saindo do foco de uso do indivíduo, para representar os grupos. Nesse mesmo tempo, já se começava a pensar no  comportamento de indivíduos representado por grupos, unindo a visão cognitiva e a visão de sistemas. Donald Norman, a minha maior expressão acadêmica sobre o tema, representa bem esse momento em que o Interaction Design ganha maior representatividade e a psicologia cognitiva, maior relevância.


As abordagens passam a ser mais qualitativas que quantitativas. Com o design contextual e do uso em relação ao ambiente, os aspectos culturais e sociais também passaram a impactar na decisão de concepção.


Acontece que, falar de concepção de produtos ou sistemas para pessoas passou da esfera do interesse dos técnicos, de quem executava na prática, para os interesses de quem estava do outro lado da cadeira: a diretoria.


Entra aí, a popularidade do Design Thinking - um pensamento estratégico que veio abordar um processo de concepção já adotado por especialistas em Usabilidade, Arquitetos da Informação e Designers de Interação, apoiado em processos de gestão e recursos humanos para apoiar as decisões da diretoria, que precisava também considerar a experiência dos usuários/consumidores como parâmetro não só para seus produtos e sistemas, mas também para sua cultura organizacional e o reflexo dela em seus serviços. Fechando, assim, uma cadeia de propósito que considera o Usuário com centro das decisões.


É preciso reforçar que o Design aqui que menciono é o estratégico e prático Centrado no Usuário. É o que eu e minha empresa reconhecemos como UX.


E por que você precisa de UX? Porque as pessoas que estamos chamando de usuários, são cada vez menos consumidores e cada vez mais produtores.  Ao usar, ou na pretensão de usar, estamos transformando a experiência e muitas vezes, nos apoderando dela.


O reflexo do apoderamento pelos usuários, com a internet e as mídias sociais fez com que a experiência de uso de qualquer coisa, de uma via pública a um sistema fechado, fossem impactados diretamente nas decisões e no lucro das empresas.


O “gostar” ou “não gostar “ de algo tomou proporções esféricas. A opinião que ficava antes fechada na sala de testes ou pesquisas, passa a influenciar imediatamente a vida das pessoas e, como consequência, a expectativa de vida/aceitação de um produto ou serviço já nos seus poucos meses de uso.


Respeitar então a opinião dos usuários como embasamento de concepção de produtos/sistemas, ou para a tomada de decisões passa a ganhar a atenção de todos.


Portanto, não importa de que lado da mesa você esteja: decidindo, criando ou usando, você precisa de UX.



O IntroDUX acontece no sábado, dia 14 maio. O projeto tem o objetivo de trazer, todo mês na DUX, os cursos, treinamentos e debates sobre UX para todos.


Queremos democratizar a disciplina, correlacionar diversas áreas de conhecimento e fazer isso mais vezes, de uma forma que todos possam participar. Sua opinião é super importante pra gente.


#UXparatodos
Inscreva-se!
Vagas limitadas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Curso rápido ou Pós-graduação em Arquitetura da Informação?

Quer saber porque fazer os workshops do UXConf BR? A gente ajudou você.

Interaction Design: interação fora das telas | 1a parte